segunda-feira, 17 de agosto de 2009

O desafio de Amar


"Amarás ao teu próximo como a ti mesmo."
Lucas 10:27

No que implica esse mandamento dentro do relacionamento do casamento? Já parou para pensar sobre isso?

O que significa amar ao próximo como a ti mesmo? É interessante observar que quando estamos bem com o nosso eu, amar aquele que está mais próximo fica fácil e agradável. Entretanto quando temos uma imagem distorcido do nosso eu, amar fica dificil em qualquer circunstância.

Estar bem consigo mesmo é primordial para um relacionamento sádio, isso fica implicito nas palavras de Jesus Cristo. Então como tratar o nosso interior? Como restaurar a imagem quebrada dentro de nós? Para muitos isso se tornar algo impossível de alcançar. É como escalar o monte Everest sem nenhum conhecimento sobre alpinismo!

Quando olhamos as Sagradas Escrituras conseguimos visualizar alguns problemas que o se humano enfrenta para restaurar seu interior e restabelecer seu relacionamento com Deus e com o próximo. Vencer o nosso próprio
Eu pode ser tornar um grande desafio.

O Rei Davi no Salmo 31:12b declara ser como um vaso quebrado, ele usa uma figura de linguagem para mostrar como estava seu interior. Um vaso quebrado não serve para nada, são pedaços de algo que um dia estava inteiro, que enfeitava um ambiente, onde as flores resplandeciam, onde se podia carregar água para saciar a sede do sedento, etc. Muitas pessoas estão desta mesma forma quebradas interiormente, já não conseguem oferecer nada, estão em pedaços.

Diz o Rei Davi: " Compadece-te de mim, SENHOR, porque me sinto atribulado; de tristeza os meus olhos se consomem, e a minha alma e o meu corpo." Salmo 31:9. Todo o interior do Rei Davi está num caos existencial, ele não consegue enxergar nada de bom diante dos seus olhos, a alma e o corpo sofrem com isso.

Uma pessoa que está nesta situação não consegue amar-se e muito menos amar seu conjugê, o relacionamento se torna um fardo pesado, não consegue enxergar as qualidades da pessoa amada, mas somente os defeitos. Na verdade, o que acontece é apenas uma transferência da auto imagem quebrada que é lançada no conjugê. Assim fica mais fácil o EU ficar escondido e como diz o ditado popular
a melhor defesa é o ataque, as cobranças e brigas passam a acontecer com frequência.

Você é isso...
Você é um(a)...
Você não fez isso.
Já estou cansado(a) de aturar você.
Porque você não muda?

Na verdade o problema está em nós e não no conjugê, entretanto fica cômodo eu lançar sobre ele(a) as dores internas, o EU danificado. Aprender a enxergar o próprio EU é algo necessário para uma restauração interior.
Olhe para SI e veja o quanto precisa ser mudado, antes de tentar culpar o seu conjugê. Aprenda a amar a você mesmo para que então possa amar o outro sem barreiras. O primeiro passo nessa mudança é aprender a amar à D'us, como eu aprendo isso? É um aprendizado dinâmico, eu preciso entender que D'us existe e me ama.

"Eu me alegrarei e regozijarei na tua benignidade,
pois tens visto a minha aflição, conheceste as angústias de minha alma." Salmo 31:7

ELE nos conhece com profundidade e nada; entenda bem isso NADA, está encoberto diante dos Seus olhos, não podemos nos esconder dEle. Por isso confesse à ELE suas dificuldades e em como está o seu interior, peça para ELE restaurar seu interior, e só assim vai sentir ELE derramar Seu amor em sua vida. Depois ELE conduzirá seu interior e você aprenderá a amar a si próprio, sem barreiras. Por que quando somos dELE, o fardo é tirado de nós e ELE nos concede o amor, que somente então teremos a capacidade de amar o próximo como a nós mesmos.


Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...