quinta-feira, 22 de agosto de 2013

Pessoas podem mudar




Uma mudança de coração: meus dois anos de terapia

Em maio de 1997, eu estava em um completo estado de crise que procurei ajuda na terapia. Minha esposa Marie tinha me pego em outra mentira que eu usara para encobrir minha vida dupla. Certamente, desta vez ela ia me deixar e nunca mais voltar, levando nossos filhos com ela. Eu estava completamente em pânico.
Então, pela primeira vez entrei num consultório de terapia, não tive nenhum desconforto particular; meu pânico sobre a perda da minha família levou qualquer nervosismo que eu poderia ter tido sobre o que pode acontecer na terapia. Eu tinha encontrado o meu novo terapeuta, David, apenas seis semanas antes, através de um grupo de autoajuda para os homens que lutam contra os desejos homossexuais indesejados. Ele foi o primeiro homem que eu já conheci que me informou que também havia lidado com os desejos homossexuais, mas eles os tinham vencido.

Isso me deu muita confiança e esperança. Eu já tinha lido vários escritos de pessoas que fizeram a alegação genérica de que haviam deixado a homossexualidade “então você também pode", mas nada que eu tinha lido realmente me identificou com os chamados ex-homossexuais, e por anos eu duvidei da existência de pessoas que realmente tivessem verdadeiramente deixado a homossexualidade para trás. David foi o primeiro ser humano real que conheci que disse: "Eu me senti gay, e pensei que queria viver minha vida dessa maneira, mas eu encontrei uma saída que me deu mais alegria e paz, trouxe-me cura e não voltei a ceder aos meus desejos novamente".
Eu não sabia exatamente o que aquilo significava, mas confiei nele, tinha confiança de que ele poderia me ajudar a encontrar uma maneira de sair do buraco onde me encontrava. E era uma cova muito profunda.

Na época estava vivendo uma vida dupla, um marido e pai feliz, frequentador de igreja e profissional bem-sucedido, mas secretamente viciado em encontros homossexuais. Após 14 anos vivendo dessa forma, perdi toda a esperança, convencido de que eu ia ter que viver assim o resto da minha vida, de alguma forma esperando que minhas duas vidas nunca se colidissem e destruíssem-me.
Mas o que eu mais temia ocorreu a minha vida secreta foi de fato em rota de colisão direta com minha vida familiar.  O suicídio foi se tornando uma opção cada vez mais atraente. Então resolvi buscar ajuda.

Declaração da APA: Isso não vai funcionar e pode doer
Em minha primeira visita com David tive que assinar um formulário de autorização da American Psychological Association (APA). Eles não acreditavam que era possível mudar minha orientação sexual. Tentar fazê-lo poderia até mesmo causar danos psicológicos, segundo a posição da American Psychological Association (APA).

Sim, claro, eu pensei, como se a vida dupla que eu estava vivendo não causasse danos psicológicos o suficiente em mim.

Eu não queria ser afirmado como gay, eu queria ser afirmado como um homem.
Também, me ressentia com a sugestão de que a única solução "correta" (politicamente correto, pelo menos) para mim era a de abandonar minha esposa e filhos e me jogar na vida gay. Isso não era o que eu queria. Eu tinha tido a chance de fazer isso antes de conhecer Marie e ter filhos com ela, quando os riscos eram muito menores - e percebi, então, que não era isso que eu queria agora para minha vida.

No inicio namorar homens, adotando uma vida secreta, tinha sido emocionante, mas com o passar do tempo percebi que estava matando meu espírito, me afastando dos meus objetivos na vida, de Deus e um senso de propósito maior. Eu percebi então que eu não queria ser afirmado como gay, eu queria ser afirmado como um homem.
Em nossa primeira sessão, eu soltei toda a história com uma franqueza e abandono que era inédito para mim. David me dava segurança para contar. Eu não tinha que me preocupar em procurar a sua aprovação ou sobre a existência de quaisquer consequências na minha vida para divulgar a minha história para ele. Ele respondeu com franqueza: "Sua vida está uma bagunça." Fiquei surpreso com sua franqueza, mas sabia que era verdade. "Eu posso ajudá-lo a trabalhar com a crise imediata", disse ele, "mas você precisa ir muito mais profundo do que isso, caso contrário estará apenas retardando o  inevitável - provavelmente com consequências ainda maiores na próxima vez.”

Eu concordei. Eu tinha atingido o fundo. Eu estava pronto para fazer o que fosse necessário para salvar a bagunça da minha vida. Ao longo das próximas semanas, eu praticamente corri para o escritório de David. Lá eu encontrava um lugar de segurança e conforto, onde eu poderia obter ajuda e orientação em relação aos segredos mais sombrios de minha vida. Eu sofria com a dor intensa que eu tinha causado em Marie, minha esposa. Sua mágoa e raiva de mim eram legitimas. Mas ela decidiu não me deixar ao ver a minha determinação em mudar - pelo menos não ainda.

Descobrindo as Feridas
Na terapia, David me ajudou a enxergar os sentimentos de rejeição. Por diversas vezes chorei e fiquei travado, devido ao sentimento de raiva que sentia. Mas para meu espanto, David encorajava a plena expressão dessa raiva nas minhas sessões com ele. Mas eu paralisava em vez disso, sentia medo e vergonha. Eu pensava que o sentimento de raiva não era bom. Principalmente por que eu não estava fora de controle. Bons meninos não ficavam com raiva. E o pior de tudo, o que eu poderia descobrir logo abaixo dessa raiva? Mas David me ensinou foi que essa raiva e vergonha oculta, em parte, estavam-me autodestruindo e estavam dirigindo a forma de eu agir sexualmente. A raiva precisava ser expressa de forma legítima. Precisava ser tirada de dentro de mim.

E assim, a raiva me deixou: raiva de meu pai por ser emocionalmente controlador; raiva de Mike que constantemente me ridicularizava na escola; raiva de minha mãe que me envergonhava sempre por causa da minha falta de masculinidade. A raiva que eu estava transportando dentro de mim me fazia muito mal. E eu sempre sentia ser continuamente atacado interiormente. Com David me orientando, eu pude visualizar as lutas internas que marcaram o meu passado, os insultos, vergonha e rejeição do meu coração, para assim deixar elas para trás.
 Ao longo dos meses, repetiu este processo, até que, finalmente, eu não consegui encontrar mais aquela raiva trabalhando dentro de mim. Finalmente, depois de ter esvaziado uma vida de raiva reprimida da minha alma ferida, eu estava pronto para me libertar e perdoar.

Em outras ocasiões, David trabalhou comigo em meus ciclos de dependência. Nós exploramos em profundidade o que parecia desencadear a minha "acting out" - stress, raiva, medo, essas emoções criavam em mim um enorme desconforto, o que quase me levou a tentar buscar consolo nas drogas, como meio de me estimular a minha vida sexual proibida.
Decidi voltar para Sexaholics Anonymous, onde eu já havia começado a fazer progressos em direção a quebrar meus ciclos de dependência. A cada semana que passava Davi me ajudava a processar ​​minha vida emocional com profundidade.

Entrando no mundo dos homens
David me ensinou sobre isolamento defensivo, e eu vi como eu tinha defensivamente rejeitado os homens, a fim de me proteger e não ser ferido por eles. Eu me debruçava sobre o livro do Dr. Joseph Nicolosi, "Reparadora Terapia da Homossexualidade Masculina", e fiquei surpreso ao encontrar o meu perfil psicológico, a forma como ele descrevia meu completo isolamento defensivo.

David me ajudou a abrir a mente e o coração para a possibilidade de encontrar homens heterossexuais que poderiam me ajudar e obter apoio ao longo da minha semana. Foi terrível, mas eu me aproximei de Martin, um homem na minha igreja cerca de oito anos mais velho do que eu, e pedi-lhe para ser um mentor espiritual. Ele concordou prontamente. Ele não sabia nada sobre a minha homossexualidade, mas ele sabia a respeito de Deus, e ele sabia sobre a dor, e ele estava mais do que disposto a estar lá para me ajudar. Falava com ele sempre que precisava, isso acontecia às vezes várias vezes na semana, desnudando a minha alma. Eu ligava para ele sempre quando estava tentado a retroceder no meu modo de agir. Quando tropeçava, ele sempre me ajudava a voltar onde tinha parado.
A minha alegria na minha nova amizade era palpável para David. "Eu gostaria de poder conhecê-lo!" disse ele. "Caramba, eu gostaria de poder cloná-lo para os meus outros clientes!"

Isso era algo que eu admirava e amava em David - por toda a sua sinceridade nua e crua sobre meus erros e erros autodestrutivos, senti sua autêntica alegria nos meus sucessos e crescimento. Eu estava realmente começando a amar este homem como um irmão em uma maneira que eu nunca tinha amado um irmão na minha vida.
Ainda assim, houve muitas vezes eu congelei de medo ante a perspectiva de chegar a outros homens para fazer amizade. Eu estava convencido de que homens heterossexuais não têm amigos - nem sequer precisa de amigos. Suas esposas ou namoradas deveriam ser o suficiente para eles. Certamente, o meu pai nunca teve amigos, e nunca fui em qualquer lugar socialmente sem a minha mãe. Eu só conseguia me lembrar de um amigo que meus três irmãos mais velhos tinham. Como eu poderia confiar em homens heterossexuais que estariam lá para mim, para ser meus amigos, para atender as minhas necessidades de companhia masculina e afirmação? Sempre acreditei que os únicos homens que queriam alguma coisa a ver com outros homens eram gays.

David desafiou-me a abrir os olhos, olhar para além das minhas percepções arraigadas. "Sua alma exige conexão macho, e esse desejo vai expressar-se, de uma forma ou de outra. Ele vai sair. Suprimindo ele só vai funcionar por um curto período de tempo, e, em seguida, a barragem vai estourar. Se você não experimentar essa verdadeira conexão da forma correta, essa conexão macho será platonicamente, a necessidade será absolutamente levá-lo a encontrá-la sexualmente. De uma forma ou de outra, a necessidade será satisfeita. "

De uma forma ou de outra, a necessidade será satisfeita.
As palavras ressoaram dentro de mim: uma forma ou de outra, a necessidade será satisfeita. Eu sabia que isso era verdade. Empurrei-me para sair de onde me encontrava. Comecei a observar os homens heterossexuais. Comecei a observar o comportamento dos homens que saiam juntos para comer, aqueles que iam ao cinema, grupos de homens trabalhando juntos. Em festas, notei o grupo de homens separados das mulheres. Eles assistindo a um jogo na TV, enquanto eles conversavam, ou quando jogavam bilhar, ou alguma outra atividade.

Eu estava descobrindo o mundo dos homens como se fosse a primeira vez. Gostava de compartilhar minhas descobertas na sessão de terapia com David, como eu procurei entender e desmistificar o mundo dos homens. Falamos sobre as coisas que os homens fazem, como eles são em festas, como eles são uns com os outros e com as mulheres. Eu comecei a entendê-los, então apreciá-los, aos poucos fui percebendo que eu não era tão diferente deles.
Um dos passos mais difíceis para mim foi pedir para um homem da minha igreja, Richard, para me ensinar a jogar basquete. David não sugeriu isso para mim, mas o medo que eu tinha em torno de esportes me paralisava, e algo dentro de mim exigiu que eu enfrentasse esse medo. Eu era forte o suficiente para me aproximar Richard e pedir-lhe para me ensinar, mas não o suficiente para entrar na quadra de basquete e jogar. A minha primeira aula foi muito difícil, eu estava realmente mais envergonhado com a minha inaptidão em torno de esportes do que sobre o meu passado homossexual. Então, me senti completamente vulnerável na presença de Richard, revelando-lhe que eu não sabia nada sobre basquete.

Todos os insultos dos valentões da escola vieram correndo de volta!
Richard me treinou cada manhã de sábado por várias semanas, e eu relatei meus sucessos e os medos para David. A primeira vez foi realmente traumático, todas as provocações dos valentões da escola voltaram correndo a minha mente. Mas na semana seguinte foi melhor, e no próximo. Uma vez, eu enviei um e-mail para David com orgulho: "Eu posso fazer um arremesso! Pela primeira vez na minha vida, eu fiz um arremesso!" Ele retornou um e-mail dizendo que ele estava feliz por mim. Quem mais poderia ter entendido o significado de tudo aquilo para um homem de 36 anos de idade?

Eu era como eles, eles eram como eu! Que eu era um homem entre os homens.
Enquanto nós continuamos a trabalhar juntos, David me contou sobre uma organização de homens, chamada Novos Guerreiros. Era um acampamento de treinamento intensivo para homens na montanha durante final de semana.

Eu fiquei hesitante na primeira vez que ele mencionou isso, mas como o meu medo dos homens havia sumido, resolvi ir. Eu praticamente flutuava em seu escritório na minha primeira sessão após o retorno do fim de semana em agosto de 1998. "Foi incrível!" Eu relatei. "Eu me descobri HOMEM!" Eu era como eles, pois eles eram como eu! Eu era um homem entre os homens. Senti-me realizado como nunca antes.
Houve mais altos e baixos, deslizamentos e quedas, a coragem e o medo, mas agora eu tinha muitas fontes de força - David, Martin, Richard, um dos guerreiros Novo "grupo de integração" semanal na minha comunidade, Sexaholics Anônimos e, sempre, minha esposa Marie. Ela ficou ao meu lado, me amou e me incentivou quando viu mudanças reais no meu coração, não apenas o meu comportamento.

Nos últimos meses, senti que a minha necessidade de terapia profissional foi chegando ao fim. Certifiquei-me de que lidava com tudo sem ajuda profissional: tinha me libertado dos persistentes sentimentos de rejeição. Tudo o que doía interiormente havia liberado o perdão. Mais e mais, eu estava vindo para sessões de terapia com relatórios de alegria em vez de mágoa, raiva ou medo, compartilhando meu maior sucesso de identidade e poder ser como um homem, informando sobre as novas amizades que eu estava construindo e novos riscos que eu estava tomando para testar a minha maior força interior.
Em uma das últimas sessões que estive com David, meu terapeuta, eu deitei no sofá enquanto ele tocava uma música suave. Ele embalou minha cabeça e ombros em suas mãos. "Você é um homem," Eu ouvi sua voz forte, profunda afirmação. "Você é forte. Você é poderoso. Você quebrou o poder que uma vez amarrou você à identidade de sua mãe. Você tem provado a si mesmo como um homem entre os homens. Admire-se e afirme-se. Você é um deles. Você é um bom e amoroso marido e pai. Não é perfeito, mas está bem não ser perfeito. Você está bem consigo mesmo".

 As lágrimas rolaram pelo meu rosto. Eu acreditei nele! Era verdade, e eu finalmente sabia. Eu estava inteiro! Eu já não desejado homens sexualmente. Eu era um deles, e não o seu oposto. Eu não preciso de um homem para me completar. No entanto, a ironia é, eu me sentia mais ligado e conectado a homens e masculinidade do que eu tinha toda a minha vida. É isso que eu tinha procurado por todos esses anos em todos os homens. É isso que eu realmente queria o tempo todo - esta conexão real, e não a fantasia. Conexão com Deus. Conexão com os homens. Conexão com à minha masculinidade. Totalidade dentro de mim. Senti meu coração quase explodiu de meu peito de alegria.
Saí do escritório de David pela última vez em 25 de agosto de 1999, 27 meses depois eu era um homem diferente. Mais forte. Mais feliz. Mais fundamentado. Eu tinha sido "sexualmente sóbrio" e fiel a minha esposa há dois anos - e tinho encontrado a paz e a alegria em fazê-lo.

Quando saí da última sessão, abracei David com firmeza e disse a ele: "Eu amo você e eu nunca vou esquecer o que você fez para mim." Com lágrimas nos olhos, ele disse: "Eu também te amo." David tinha me ensinado a lidar comigo mesmo e com outros relacionamentos. Eu não precisava mais de David como um terapeuta, porque agora eu podia ter em relações honestas com os outros. Eu poderia fazer amigos. Eu poderia pedir ajuda. Eu poderia ser real.
E mais do que qualquer outra coisa, eu posso amar. Eu tenho aprendido a dar amor e receber amor de outros homens como meus irmãos, e confiar-lhes com o meu coração. Eu realmente encontrei o que eu estava procurando por toda a minha vida.

Post Script
Meu casamento com Marie melhorou sensivelmente. Ambos caímos mais profundamente no amor do que nunca. Nós continuamos a passar por provações pessoais e lutas juntos, embora, especialmente quando ela foi diagnóstico de câncer de mama em 2000. Ela morreu no final de 2006, após 18 anos de casamento. Eu estava tão agradecido que, ao longo da segunda metade do nosso casamento eu era capaz de ser o marido fiel ao que ela sempre mereceu. Serei eternamente grato a esta bela mulher que me apoiou e acreditou em mim e me apoiou, e que, de muitas formas ajudou a me tornar o homem que sou hoje.

- Rich Wyler, 2010

WYLER RICH
Fundou - As Pessoas Podem Mudar - em setembro de 2000 e co-criou a primeira Journey Into Manhood em janeiro de 2002. Ele trabalha como diretor da fundação e como treinador profissional, ele é o pai de dois filhos. Ficou viúvo em 2006, casou-se novamente em 2010 e vive com sua esposa e família na Virgínia. Ele pode ser contatado pelo rich@peoplecanchange.com ou rich@higherpathcoaching.com .

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...